EventosRH

Não se "apaixone" demais por sua empresa

Por: Paulo Pereira   27/05/2011 - 05h27m


Siga-nos: Siga-nos no Linkedin  Siga-nos no Facebook

A mensagem título parece ser forte demais e pode sugerir que você tenha uma atitude rebelde, irresponsável e indiferente com seu trabalho e ou a sua empresa. Mas não é nada disto.

Acompanhando e observando as relações de trabalho ao longo dos anos, como um simples trabalhador, ora como um executivo, ora como profissional de rh, consultor e como empresário, quero alertar os profissionais  que  ser um grande equívoco terem um comportamento "apaixonado" pela empresa.  Muitas vezes, uma "paixão" tão grande e com a mesma intensidade que, invariavelmente, acontece nas  relações amorosas entre muitos casais, principalmente, entre quase todos os adolescentes.

Nas relações pessoais entre casais, tudo bem e muito desejável, pois nelas existem uma real possibilidade e muita probabilidade de continuidade e ou de vínculos sinceros e definitivos. Essas relações começam,  sem qualquer compromisso,  com um "flerte" e vão se aprofundando. Em seguida vem a "ficada", o namoro, o noivado, o casamento, os filhos, os netos etc. As pessoas vão se conhecendo e se entregando umas às outras, numa relação de interdependência, de mútuas resignações, compartilhando realizações, bens e também sofrimentos.

Está certo que muitos atropelam esta saudável ordem de envolvimento, não obrigatória, é claro. Nos tempos atuais é muito difícil encontrar casais na tradicional "Lua de Mel", pós-casamento. Em geral, quando pensam que estão, na realidade só estão em Lua, porque o mel já foi há muito tempo.  Não é nada raro filhos presenciarem cenas do primeiro casamento dos pais.

Em geral essas relações são de continuidade e só excepcionalmente, embora nos tempos atuais com muita facilidade e freqüência,  são interrompidas - para melhor ou para pior ou  nem uma coisa e nem outra.  Não é sempre, mas o atropelamento das fases na saudável ordem do envolvimento como acima sugerimos tem sido, direta ou indiretamente, a causa de muitas destas precoces e sofridas separações.

Agora, nas relações de trabalho, por tudo o que temos visto e vivenciado e pela sua dinâmica e característica naturais, mencionadas em vários pontos deste livro, as palavras chaves são: qualidade, produtividade e competitividade. E o que realmente importa é se você está ou não contribuindo para isso. A pressão por esses resultados obriga as empresas a terem uma conduta mais objetiva e prática em relação à nossa permanência ou não em seus quadros, com diferentes graus de abordagem em cada uma delas.

Cada vez mais,  a lógica atual, a nosso ver insensata para os padrões e necessidades sociais e humanas,  acena para relações não tão duradouras como outrora, gerando relacionamentos, entre empregado e empresa,  efêmeros, de curto e médio prazos.

É o que tem acontecido em nossos dias e vai continuar acontecendo. Um enorme contingente de trabalhadores, em toda  parte do mundo, a despeito de seus sentimentos em relação à empresa, da dependência econômica, da dedicação e lealdade ao trabalho que tem tido com ela  durante anos a fio, de repente é colocado em disponibilidade - muitas vezes de forma humilhante e do dia para a noite.

E isto não acontece porque as empresas sentem prazer em "maltratar" seus empregados. Na realidade, um  processo de desligamento é muito traumático, tanto para a empresa quanto para o profissional. Para a empresa, porque isto custa muito caro e acarreta sérios problemas no ambiente organizacional. Sem contar o fato de que muitas vezes, com a demissão, parte da história da empresa, do conhecimento, do talento e da competência vão embora juntos. E para repor tudo isto, haja dinheiro e tempo!

Os desligamentos, quase sempre, ocorrem por necessidades objetivas de sobrevivência do negócio, por necessidades mercadológicas e  ou   tecnológicas, por obsolescência de produtos e serviços e por uma outra série de outros fatores,  nem sempre de domínio da empresa. E cada vez mais essas necessidades e mudanças ocorrem em uma velocidade cada vez maior do que antes. E a empresa precisa se adaptar, e rápido, doa a quem doer, sob pena de seu desaparecimento.

Daí vem a nossa recomendação. Dedique-se sempre à sua empresa com lealdade, com determinação, com profissionalismo. Vista a camisa, a cabeça, o corpo e a alma dela, sim, como se diz por aí. Faça sempre o seu melhor, tudo muito bem feito. Afinal, é de lá que nós, bem ou mal, retiramos o nosso sustento e o de nossos filhos. Viabilize condições de realizar-se profissionalmente nela, mas não se "apaixone" demais enquanto estiver lá. Você tem coração - a empresa não.

E cada vez mais, apesar de as empresas neste cenário altamente competitivo terem que estabelecer relações cada vez mais de parceria com os seus empregados,  elas serão menos paternalistas e mais profissionais, sempre buscando melhores resultados. E  este comportamento, em longo prazo,  poderá custar o seu emprego e a sua estabilidade - econômica, emocional e psicológica.

Diante deste cenário, até que novas abordagens, novas mudanças, novas atitudes etc. sejam introduzidas nas relações capital e trabalho, não é aconselhável colocar todas  suas fichas e confiar o seu destino na empresa, por melhor que ela seja. É neste sentido que não dá para se "apaixonar demais" por ela e depois se sentir traído.

   
    Autor: 
 

Paulo Pereira, Diretor Presidente da Eventos RH
Autor do livro Profissionais & Empresas - Os Dois Lados de Uma Mesma Moeda no Mercado de Trabalho, Editora Nobel.


clique aqui.
 




Siga-nos: Siga-nos no Facebook  Siga-nos no Linkedin
 Cadastre-se para receber nossos informativos.     Cadastre também sua empresa.