EventosRH

Corpo, Mente e Espírito Sempre Saudáveis

Por: Paulo Pereira   13/07/2011 - 08h21m


Siga-nos: Siga-nos no Linkedin  Siga-nos no Facebook

Já falamos um pouco sobre este tema no item "Adie ao máximo sua aposentadoria", no capítulo Reflexões Iniciais. Como reforço, temos algo mais a dizer sobre o ele.
 
Você é do tipo que se orgulha em dizer que é o primeiro a chegar e o último a sair de seu trabalho? Não tem tempo adequado para alimentação e descanso? Nem sabe mais o que é praticar um esporte? Só se lembra dos familiares mais próximos em datas especiais (ou obrigatórias)? Dorme sonhando com o trabalho e compromissos de seu dia-a-dia?
 
Pois bem, além do mal que esta vida estressante proporciona à sua saúde física, mental, espiritual e emocional, cada vez mais essas atitudes, que, até algum tempo, eram sinônimos de um "profissional dedicado", agora já depõem contra você.
 
As empresas demoraram a perceber - e não por razões humanitárias - o mal que este tipo de comportamento trás para você e, principalmente, para os negócios delas. Elas estão agindo em várias direções para identificar e combater e ou ajudar este tipo de profissional, pois se conscientizaram que por traz dele certamente há um profissional problemático, com baixa produtividade e baixa criatividade, refletidos em uma pessoa amargurada, angustiada, estressada e ansiosa e pronta para "explodir".
 
Elas continuam sim valorizando e exigindo muito a dedicação máxima de seus profissionais, em especial de seus executivos estratégicos, mas reconhecem e estimulam a prática de hábitos saudáveis e equilibrados de vida entre seus colaboradores. Fazem isto através de diversos programas de atividades físicas, culturais e de recreação, dentro e fora das empresas, de instalação de academias de ginásticas, próprias ou conveniadas, planos de saúde preventivos, entre tantas outras iniciativas.
 
Em geral, os executivos estratégicos são os que mais sofrem com o desequilíbrio entre realização profissional e qualidade de vida, pois, pela natureza dos cargos que ocupam, participam de um voluntário e involuntário poderoso jogo de manipulações, deles mesmos para eles mesmos, entre eles e seus acionistas controladores, familiares e amigos.
 
Em função do receio da perda status que ocupam na empresa, na família e perante os amigos e outros familiares, por conta do cargo e do nível da remuneração e benefícios, colocam o trabalho como a essência de sua vida, aceitando e se impondo desafios descabidos.
 
Dedique-se ao trabalho com inteligência e respeito à sua saúde - física, mental e espiritual. Não tenha medo de mudar a sua forma de trabalhar por achar que sua empresa poderá vê-lo como uma pessoa tipo folgada. Nada disso, você estará sendo valorizado por ela. Além do mais você vai perceber que quanto mais perto do equilíbrio você se encontrar, além de viver melhor e feliz, mais produtivo para a empresa você será.
 
Busque um equilíbrio em seus vários papéis sociais, como profissional, pai, cônjuge, namorado, noivo, irmão, filho, amigo, familiar, cidadão, aluno e, por que não, religioso.
 
Não somos só de carne e osso. Exceções à parte, por mais ateu e materialista que possamos ser, acreditamos que possuímos uma alma ou um espírito. Infelizmente para muitos de nós esta percepção só é mais evidente em momentos dramáticos ou terminais de nossa vida, nossa mesma, ou de algum de nossos entes e amigos queridos. Torço para que não seja o seu caso, pois são momentos onde o filme da vida passa rápido demais e o tempo para arrependimento e para "consertar" as coisas fica muito curto.
 
Se acreditamos que temos uma alma ou um espírito, devemos também cuidar dele (ou dela), pois ainda não sabemos ao certo o que nos espera do "outro lado", quando passarmos desta vida. Se é que vamos para algum lugar depois da morte ou se vamos simplesmente para o pó, como vão os demais seres vivos na natureza, vegetal ou animal. Isto na crença dos que não crêem em nada, que não é o meu caso - e espero também não seja o seu.
 
Agora, não se iluda se pensa que está resolvendo esta questão só porque você vai à missa ou aos cultos de sua igreja, mesmo com toda a freqüência, se suas atitudes e comportamentos práticos em seu dia-a-dia te contradizem. Freqüentar igrejas não é uma garantia automática de que você vai para o "céu".
 
Por outro lado, não é porque você não freqüenta missa e cultos que, automaticamente, é um pecador e que vai para o "inferno". Maus exemplos de "religiosos de mentirinha", praticantes ou os profissionais do setor, existem em quantidade, muitos até em noticiário policial, incluindo padres, missionários e pastores. E haveria mais, se todos as pessoas prejudicadas por eles tivessem a coragem denunciá-los e os grupos que os representam agissem para puni-los e não para acobertá-los, como visto em alguns episódios recentes.
 
Neste quesito, entre tantos outros, admiro meu pai. Ele tem em seu próprio quarto a sua própria igreja, literalmente falando. Um verdadeiro santuário de imagens e velas. Vive em permanente comunhão com o Deus que ele acredita. Vejo isto nos gestos e sinais de agradecimentos que ele faz (sinal da cruz e rápidas orações) nas mais cotidianas rotinas, como dormir, acordar, se alimentar, passar em frente à Igreja de sua devoção, cruzar a rua que leva ao cemitério, velório, etc, e lê a bíblia todos os dias, logo de manhã. E age assim pelo menos desde que eu o conheço, mas não é freqüentador assíduo de missas e cultos, só o fazendo raramente, por exemplo, quando casou seus filhos e nos batizados de netos.
 
Enfim, todos precisamos, podemos e devemos desenvolver novas alternativas e atitudes para encontrarmos uma forma equilibrada de tornar rotina de trabalho mais adequada em relação às novas necessidades das dinâmicas das relações comerciais e empresariais como um todo, compatíveis com os recursos tecnológicos e de comunicação existentes, conciliando nossas necessidades e interesses e variados papeis, pessoais, coletivos, familiares e, principalmente, de saúde - física, psicológica e mental.
 
Temos que nos empenhar em fazer bem a nossa parte, nos esforçar para fazermos um melhor papel, pessoal e profissional, mesmo com algum sacrifício ou com baixa compensação. Agora, ir para o sacrifício, não significa dizer, necessariamente, que temos que nos anular, enquanto pessoas, para podermos viver bem nossas relações - com quem quer que seja - com as nossas empresas ou mesmo com nossos próprios filhos, pois filhos verdadeiros não querem a anulação de seus próprios pais. Nem mesmo as empresas sérias e responsáveis querem isto de você.
 
Não se anule, mas se achar que deve se anular enquanto pessoa ou enquanto profissional para viver bem com quer que seja, ou para continuar trabalhando em alguma organização, fique alerta para, pelo menos, no futuro não apresentar uma fatura que não poderá ser regatada por quem você se anulou durante parte da vida ou a vida toda ou pela própria organização. Elas podem simplesmente não conseguir pagá-la ou não quererem reconhecer a dívida apresentada.
 
Realização profissional sim - sempre. Mas com equilibrada qualidade de vida. Este deve ser o nosso permanente desafio. Tenha sempre em mente que super homens e super mulheres, aqueles ou aquelas que conseguem ser perfeitos em todos os papeis, durante o tempo todo na vida, só existem em gibis. Se se apresentarem assim na vida real para você, provavelmente, você estará diante de alguma hipocrisia ou dissimulação - ou diante de Cristo, se não estiver sonhando.
   
    Autor: 
 

Paulo Pereira, Diretor Presidente da Eventos RH
Autor do livro Profissionais & Empresas - Os Dois Lados de Uma Mesma Moeda no Mercado de Trabalho, Editora Nobel.


clique aqui.
 




Siga-nos: Siga-nos no Facebook  Siga-nos no Linkedin
 Cadastre-se para receber nossos informativos.     Cadastre também sua empresa.